Menu fechado

1ª edição do Concurso de Poesias Péricles Eugênio da Silva Ramos – 2019 está lançada

Hoje, dia 21, Dia Mundial da Poesia, o UNIFATEA felicita os seus poetas professores, alunos e muitos que já passaram por aqui.

O dia dedicado a poesia foi criado na 30º Conferência Geral da UNESCO em 16 de novembro de 1999. O propósito deste dia é promover a leitura, escrita, publicação e ensino da poesia através do mundo.

Para a professora e poeta Irmã Olga de Sá, ao ser questionada qual o efeito da poesia em sua vida, ela responde com um poema:

“Felicidade é promessa sem prazo, sem data marcada, sem fiador, sem garantia. Felicidade é o instante de criar o poema. Sem poesia, a vida se resume num galho seco, pronto para a queima sem poesia, as carências se abatem sobre os miúdos objetos de consumo. Para que poesia, para que literatura? Para fazer as perguntas essenciais sobre a vida e explicar a condição humana. ”

Finaliza a poeta que realizou grandes obras.

E para incentivar esse movimento, a Academia de Letras de Lorena no lançamento da primeira edição do Concurso de Poesias Péricles Eugênio da Silva Ramos. A profª Drª Neide Arruda, presidente da Academia, afirma que o objetivo é incentivar a produção e leitura de poesias e divulgar a literatura produzida por este lorenense, poeta, tradutor, ensaísta, crítico literário e professor. As normas e critérios de participação, julgamento e classificação dos vencedores do concurso seguem detalhadas no edital disponível no Facebook da Academia de Letras de Lorena: https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=2001286423501526&id=1493086630988177&__tn__=K-R ou inscrição por escrito na coordenação do curso de Letras do UNIFATEA.

Breve bibliografia:

Péricles Eugênio da Silva Ramos (1919-1992) nasceu na cidade de Lorena-SP. Realizou seus primeiros estudos, em sua terra natal, no Colégio Salesiano São Joaquim, seguindo depois para São Paulo onde bacharelou-se, em 1943, pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco.

  Seus primeiros e precoces poemas são encontrados nas páginas do jornal carioca Diário de Notícias, de 1936. Em 1940, durante a graduação, participou da antologia “Poesia sob as Arcadas”, organizada por Ulisses Guimarães.

O livro que marca a sua estreia no cenário literário nacional chama-se “Lamentação floral” (1946) e no ano seguinte, com um grupo de escritores e poetas, funda a Revista Brasileira de Poesia, órgão propugnador da estética da Geração de 45.

  Crítico Literário, por vários anos manteve sua coluna no Jornal de São Paulo, Correio Paulistano e Folha da Manhã.

Em 1966, torna-se professor de Literatura Portuguesa e Técnica Redatorial do curso de Comunicação Social da Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, lá permanecendo até 1992.

Foi diretor técnico do Conselho Estadual de Cultura, em 1970, e um dos criadores do Museu de Arte Sacra de São Paulo, do Museu da Imagem e do Som e do Museu da Casa Brasileira.

Em 1988, foi premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte pelo livro de poesias “A Noite da Memória”.

Como tradutor, Péricles Eugênio verteu para o português versos de William Shakespeare, Stéphane Mallarmé, François Villon, Luís de Góngora, Byron, James Gould Cozzens e outros. Produziu várias antologias da poesia brasileira e editou a obra poética de Francisca Júlia e Álvares de Azevedo. Pertencente à terceira geração de modernistas, sua obra poética ainda compreende Sol sem Tempo (1953), Lua de Ontem (1960), Futuro (1968) e Poesia quase Completa (1972).

No UNIFATEA você encontra todo acervo e obras de Péricles Eugênio da Silva Ramos, da professora Irmã Olga de Sá e de outros poetas que aqui deixam seu registro.

Mais fotos: http://www.facebook.com/unifatea

UNIFATEA, confiáveis como sempre, inovadores como nunca!

Inspiração:

EPITÁFIO

As ondas nascem,/ as ondas morrem,

num só minuto;

mas o pensamento / pode eternizá-las.

As rosas nascem, as rosas morrem;/mas o pensamento /pode concebê-las imortais.

Por isso eu vos tirei do mar, /ó vagas!

Por isso eu vos tirei do lôdo,/ó rosas!/Porém vos fiz etéreas, flamejantes, /para brilhardes sôbre a poeira em que me tornarei.

                                                  (RAMOS, 1946, p. 89-90)

RAMOS, Péricles Eugênio da Silva. Lamentação floral. São Paulo: Assunção, 1946.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Traduzir
Abrir WhatsApp.
Precisa de ajuda? Clique aqui.
Olá!
Você tem dúvidas?
Clique em "Abrir WhatsApp" para te ajudamos
%d blogueiros gostam disto: