Menu fechado

Mercado de trabalho exige profissionais com inglês e o UNIFATEA gera essa habilidade em unidade curricular – Entrevista com a Profª e Me. Ana Paula Cruz

Por Kymberlim Oliveira

De acordo com o estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Data Popular para o British Council (Instituição pública do Reino Unido com o intuito de difundir a língua inglesa), em 2014, 9% das pessoas de 16 anos ou mais afirmam que pretendem iniciar um curso de inglês, alegando que a falta de um ensino básico de qualidade, somada ao baixo acesso a cursos privados dificultam ainda mais o aprendizado.  

Atualmente o mercado de trabalho busca profissionais que, ao menos possuam o inglês específico, aplicável ao cotidiano empresarial. Atender as necessidades das empresas inclui oferecer cursos tão diferentes entre si como inglês técnico instrumental para a compreensão de manuais e softwares específicos e conversação (fala e compreensão oral) para contato com representantes internacionais, clientes e fornecedores. As habilidades e competências gramaticais e a escrita, em geral, são menos valorizadas. 

Nesse ambiente de constante transformação do mundo, o UNIFATEA se alia às inovações, lançando foco sobre o estudante com uma nova a matriz curricular, que prevê competências para os de língua inglesa.

Entrevistamos a Profª e Me. Ana Paula Costa de Souza Cruz, que leciona Inglês para fins específicos para o curso de Rádio e TV, Publicidade e Propaganda e Jornalismo, para compreendermos melhor este processo proposto pela universidade.

Como o aluno pode aproveitar melhor o aprendizado do inglês técnico dentro e fora de sala?

Um aluno adulto no nível básico pode apresentar uma série de dificuldades para aprender um idioma, sobretudo no que se refere aos bloqueios e limitações que ele mesmo se impõe sem perceber. Por esse motivo, dentro da sala de aula, faz-se necessário o exercício de se superar dos preconceitos criados ao longo do tempo, para isso, o aluno deve estar muito disposto e envolvido com o seu processo de aprendizagem. Havendo disposição para o estudo, o seu desenvolvimento poderá acontecer de forma mais rápida. Consequentemente, a busca pelo idioma fora da sala de aula será mais natural e profícua. 

Com a tecnologia, o sujeito moderno possui mais acesso, a realidade apresenta uma infinidade de recursos, muitos gratuitos. Os estudantes podem utilizar aplicativos e plataformas para auxiliar nesse processo, como por exemplo: Hello talk, Duolingo, TOEFL go, BBC learning English, Babbel, LearnEnglish Podcast, dentre outros. 

A demanda por profissionais com inglês nas empresas é muito grande, encontrar hoje uma universidade que construa esse conhecimento com o aluno é raro. Como é o trabalho com a universidade?

​Atender a demanda do mercado de trabalho não é uma tarefa fácil, principalmente para uma universidade, onde encontramos pessoas com diversos níveis de proficiência linguística e com uma diversidade cultural muito grande. A fim de promover melhorias para este cenário, o UNIFATEA oferece essa possibilidade com sua unidade curricular institucional, o qual passa constantemente por adequações com intuito de construir junto com o estudante conhecimento relevante para atender as exigências do mercado. 

Fonte: 

https://www.capes.gov.br/sala-de-imprensa/noticias/8621-internacionalizacao-do-ensino-superior-precisa-avancar-sugere-estudo-da-capes

UNIFATEA, confiáveis como sempre, inovadores como nunca!

#Nem1PraTras#Nem1SemEscola#DiadaEducação#EducaçãoJá

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: