Menu fechado

Pesquisa inédita traça perfil da Enfermagem no Brasil e em São Paulo-Vestibular 23/11

No quesito mercado de trabalho, 55% da equipe de enfermagem encontra-se no setor público; 35,1% no privado; 22,3% no filantrópico e 9,6% nas atividades de ensino.

Foi apresentada na Assembleia Legislativa, a pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil – com foco no Estado de São Paulo. O estudo foi realizado em 2015 pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por iniciativa do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e apoio do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. 

“Formamos a maior categoria de saúde no estado de São Paulo, com 460.000 profissionais. Portanto, precisamos sair da invisibilidade social e política na qual a nossa profissão se encontra no País”, argumenta Fabiola de Campos Braga Matozinho, presidente do Coren-SP.

A pesquisa tem abrangência de mais de 450 mil profissionais. Para chegar a um retrato fiel da Enfermagem no Estado trabalhou-se com amostragem conforme metodologia utilizada pela Fiocruz.  Em São Paulo, no atual momento, a enfermagem é composta por um quadro de 77,1% de técnicos e auxiliares e 22,9% de enfermeiros.

Onde trabalham

No quesito mercado de trabalho, 55% da equipe de enfermagem encontra-se no setor público; 35,1% no privado; 22,3% no filantrópico e 9,6% nas atividades de ensino.

Em São Paulo, 64% da equipe de enfermagem declaram desgaste.

Renda mensal

Considerando a renda mensal de todos os empregos e atividades que a equipe de enfermagem exerce, constata-se que 0,3% de profissionais na equipe recebem menos de um salário-mínimo por mês. A pesquisa encontra o percentual de 6,3% de pessoas que declararam ter renda total mensal de até R$ 1.000, ou seja, estão em condições de subsalário. 

Dos profissionais da enfermagem, a maioria (73,5%) tem apenas uma atividade/trabalho.

Os quatro grandes setores de empregabilidade da enfermagem (público, privado, filantrópico e ensino) apresentam subsalários. O privado (8,5%), o filantrópico (5,5%), o público (5%) e o de ensino (6,3%) praticam salários com valores de até R$ 1.000, sendo, entretanto, os menores percentuais praticados em relação à Região Sudeste.

Profissionais qualificados acima do exigido

O desejo de se qualificar é um anseio do profissional de enfermagem de São Paulo. Os trabalhadores de nível médio (técnicos e auxiliares) apresentam escolaridade acima da exigida para o desempenho de suas atribuições, o que significa dizer que mais de 1/3, ou seja, 37,9% de todo o contingente, fizeram ou estão fazendo curso de graduação.

Desemprego aberto

A área já apresenta situação de desemprego aberto, com 8,8% dos profissionais entrevistados relatando situações de desemprego nos últimos 12 meses. Dificuldade de encontrar emprego foi relatada por 66,3% desses profissionais.
 
Concentração na capital

Mais da metade da equipe de enfermagem (62,4%) se concentra na Capital. 

Dados Brasil

A enfermagem hoje no país é composta por um quadro de 77% de técnicos e auxiliares e 23% de enfermeiros. É o que aponta pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil, divulgada recentemente, cujos resultados também apontam desgaste profissional em 64,2% dos entrevistados e grande concentração da Força de Trabalho na Região Sudeste (mais da metade das equipes consultadas). 

O mais amplo levantamento sobre uma categoria profissional já realizado na América Latina é inédito e abrange um universo de mais de 1,8 milhão de profissionais. 
De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área de saúde compõe-se de um contingente de 3,5 milhões de trabalhadores, dos quais cerca 50% atuam na enfermagem (cerca de 1,8 milhão). A pesquisa sobre o Perfil da Enfermagem, realizada em aproximadamente 50% dos municípios brasileiros e em todos os 27 estados da Federação, inclui desde profissionais no começo da carreira (auxiliares e técnicos, que iniciam com 18 anos; e enfermeiros, com 22) até os aposentados (pessoas de até 80 anos). 
A pesquisa foi encomendada pelo Cofen para determinar a realidade dos profissionais e subsidiar a construção de políticas públicas. “Este diagnóstico detalhado da situação da enfermagem brasileira é um passo necessário para a transformação da realidade”, afirma o presidente do Cofen, Manoel Neri.

Download dos dados

Os dados com o Perfil da Enfermagem Paulista, lançados na ALESP, estão disponíveis para download gratuito neste link.

Fonte: https://portal.coren-sp.gov.br/noticias/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem-no-brasil-e-em-sao-paulo/

Enfermagem no UNIFATEA

Tem como objetivo a formação de enfermeiros generalista, aptos a desenvolver ações de enfermagem nos serviços de proteção, recuperação e reabilitação da saúde, tendo como base a sistematização da assistência e a atuação como educador em saúde, com capacidade efetiva para liderança, tomada de decisões e comunicação. Para tal, acontecem aulas práticas em laboratórios na primeira série do curso e as práticas clínicas em campo na segunda e terceira série, culminando com a vivência clínica na quarta série do curso.

Estrutura

  • Laboratório de Biologia
  • Laboratório de Microbiologia
  • Laboratório de Anatomia e Fisiologia
  • Laboratórios de Enfermagem (Procedimentos Básicos e Avançados em Enfermagem
  • Laboratório de Atenção à Criança e à Gestante, Laboratório em Sala de Cirurgia)
  • Ambulatório de Enfermagem (atendimento diário à comunidade)
  • Consultório de Enfermagem (aos alunos da instituição)

A duração do curso é 8 semestres e o período é matutino.

Quer conhecer mais sobre o curso, entre em contato pelo nosso WhatsApp:

(12) 98118-2995.

▪ Prova dia 23/11 às 14h no UNIFATEA

Acesse e faça sua inscrição pelo link: https://unifatea.edu.br/vestibular/

#Vestibular #Vestibular2020 #VestibularUNIFATEA #InspirandoGerações

#TransformandoGerações #MotivandoGerações

UNIFATEA, confiáveis como sempre, inovadores como nunca!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: