Menu fechado

Jogos de PC disponibilizados de graça durante a pandemia: uma boa medida para as lojas e para os consumidores

Estamos trancados em nossas casas. A pandemia nos trouxe vários problemas, em diversas áreas das nossas vidas, inclusive na esfera psicológica, e o ócio é um deles.

Uma das maneiras mais populares de acabar com o tédio hoje em dia é jogando jogos no computador, só que eles custam dinheiro, o que pode complicar bastante essa opção, principalmente nesses tempos atuais.

É nesse contexto que começamos a ver lojas virtuais de jogos, como Steam, Epic, Origin e Uplay distribuindo jogos gratuitamente com uma frequência bem maior. Não os jogos free-to-play de sempre, como ‘’Fortnite’’, ‘’League of Legends’’ ou ‘’Call of Duty: Warzone’’, que já eram e são gratuitos desde o começo, mas sim jogos que um dia foram lançados com seus respectivos preços, alguns sendo AAA (maior categoria possível), inclusive, e agora foram gentilmente cedidos para que qualquer um que tenha uma conta nesses lugares possa obtê-los pra sempre, sem nenhum custo.

Dentre essas 4 lojas citadas, a Epic se destacou bem mais. Enquanto as outras 3 fizeram boas ofertas, mas de maneira bem limitada, toda semana a Epic oferece jogos novos em sua plataforma. Eles vão dos pequenos indies, que recebem uma visibilidade bem grande, até simplesmente o produto de entretenimento mais lucrativo da história, ‘’Grand Theft Auto V’’, que mesmo com quase 7 anos de existência, sempre está no topo das vendas de qualquer plataforma disponível.

Com isso, resolvi entrevistar Natan Gomes e Leandro Zappa, dois estudantes do UNIFATEA que, assim como eu, apreciam muito a arte dos jogos eletrônicos e aproveitaram esse momento para expandir suas respectivas bibliotecas, além de matar o tédio da quarentena, claro. Ambos já gostavam dessas lojas desde antes da pandemia, por isso não mudaram muito de opinião sobre elas.

O Natan destacou os descontos que elas oferecem em comparação com lojas físicas, enquanto o Leandro demonstrou sua apreciação de maneira mais cautelosa, dizendo que a Epic ‘’ainda tem muito a melhorar’’.
Além dos jogos de perfil mais elevado, alguns mais alternativos foram oferecidos, e ganharam fãs com essa oportunidade. Um exemplo é ‘’Remnant: From the Ashes’’, jogo que possui estilo parecido com a franquia ‘’Dark Souls’’, com batalhas intensas e dificuldade elevadíssima, além de acrescentar mais opções de acessibilidade e elementos de outros jogos de ação em terceira pessoa.

Ganhou status de ‘’tesouro escondido’’ por um grande número de pessoas que puderam o experienciar de graça quando a Epic o ofereceu, incluindo os dois entrevistados.

Essas pequenas descobertas são muito interessantes, mas o que realmente gera atenção é quando um jogo grande e atrativo para qualquer pessoa que tenha algum contato com esse tipo de mídia, gerando o famoso ‘’hype’’. Neste quesito, tivemos a presença de aclamados títulos como ‘’Watch Dogs 2’’, ‘’The Sims 4’’, ‘’Tomb Raider’’ e o já citado ‘’Grand Theft Auto V’’.

Quando perguntados sobre qual oferta mais impressionou, Leandro falou de ‘’Hitman’’, o aclamado jogo de stealth estrelado pelo Agente 47, que inclusive ainda estava disponível no exato momento em que essa matéria está sendo escrita, e ficou até o dia 3 de setembro assim, agora substituído por ‘’Railway Empire’’.

Natan foi um pouco mais óbvio e citou GTA 5, além de reiterar o fato de que o jogo segue no top 10 de mais vendidos todo ano, mostrando o quão inacreditável foi ele ter ficado disponível gratuitamente.

Por último, vamos falar menos sobre jogos e mais sobre essa categoria de distribuição gratuita, em si. Em tempos de pandemia, esse tipo de negócio se provou interessante para as lojas mais focadas em games que o fizeram. Mas e as empresas de outros ramos de entretenimento, será que não pode ser interessante para elas? E depois da pandemia, isso é sustentável?

Ambos acham esse modelo sustentável no ramo dos jogos, com o Natan propondo a venda de itens dentro do jogo como uma maneira de se fazer um contrapeso, enquanto o Leandro destaca que a atenção que as lojas recebem com isso já compensa os gastos.

Em relação a essa prática, ambos apoiam, com Leandro considerando a satisfação dos usuários e a visibilidade, enquanto Natan considera mais realístico uma disponibilização temporária do conteúdo ao invés da permanente como uma boa solução para satisfazer as duas partes.

Se você quiser escapar um pouco da realidade complicada na qual estamos vivendo, é bom ficar de olho nessa utilidade pública que está sendo feita pelas lojas virtuais. No momento, apenas a Epic Games tem uma agenda definida de jogos novos para serem distribuídos, toda quinta-feira, mas é importante ficar de olho nas outras, que provavelmente ainda não acabaram com essa cortesia.

O entretenimento é muito importante para a saúde mental, então aproveite para se cuidar.

Imagem: Epic Games

Por Vinicius Silva de Oliveira – 4º período de Jornalismo

Matéria escrita para o Projeto Humanize-se! (Unidade Curricular: Laboratório de Jornalismo Impresso e Digital)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.