Menu fechado

UNIFATEA inicia o Período Quaresmal

Dia 17, Quarta-feira de Cinzas, iniciamos o período quaresmal. Para introduzir esse momento de preparação para a nova vida cristã, nossos colaboradores participaram de uma singela cerimônia na capela do UNIFATEA apresentada pela Ir. Zenilde.

Durante o momento os convidados puderam aproveitar a oportunidade para refletir sobre a importância de se colocar no lugar do próximo, praticar a empatia, e ainda, entender o verdadeiro significado da união de toda a comunidade. Você pode fazer a leitura do texto compartilhado a seguir:

 

A ESTÓRIA DE UM ENCONTRO:
caminho do amor

Evangelho de São João, capítulo 4, vers. 1 a 42

1. Eu preciso de você:
Jesus e seus discípulos estão viajando da Judéia para a Galileia. São cerca de 150 Km. É uma região desértica e, por volta do meio dia eles pararam junto a um poço. Os discípulos vão procurar comida e Jesus fica sozinho. Chega uma mulher e Jesus lhe pede água (Jo 4, 1-7). Este é o primeiro passo para que haja encontro: o precisar de alguém.
Quem é completo e se basta, não tem possibilidade de encontrar-se com ninguém. Quem se reconhece incompleto, que precisa de outros, já está na perspectiva do encontro.

2. Eu não sou você, você não sou eu:
Para os judeus, os samaritanos eram um povo infiel, marginalizado. Além disso, a mulher não ocupava um lugar importante na sociedade judaica. Assim, a mulher estranha o pedido daquele homem que, ainda por cima, é um Galileu (Jo 4, 9).
Este é um segundo passo: o estranhamento. Só podemos nos encontrar com o diferente. Aquele que busca encontro com igual, busca encontras a própria imagem e não o outro. A diferença possibilita e não inviabiliza o verdadeiro ENCONTRO.

3. Eu tenho algo meu para você:
O estranhamento pode inviabilizar o encontro se as pessoas se fecham nele. Jesus percebe isso e se abre, mostrando à mulher que tem alguma coisa a partilhar (Jo 4, 10). Também conosco, se há fechamento para o outro, para o diferente, o encontro não acontece. É preciso que superemos a diferença, não anulando, mas partilhando, o que temos de nosso, para que o ENCONTRO se realize.

4. Eu também preciso de você:
Vendo que Jesus partilha e não se fecha ao que é diferente, a mulher também se abre e entra na dinâmica do Encontro (Jo 4,15).
Também em nossa vida de trabalho, quando percebemos fechamento e diferença, nos abrimos ou nos fechamos? Como Jesus, é preciso estar abertos para lá da diferença e acolher o outro.

5. Eu percebo você, eu te reconheço:
Neste ponto, Jesus pede que a mulher chame o seu marido. Ela responde que não o tem, e eles falam sobre isto (Jo 4, 16-18). Como Jesus sabia da realidade daquela mulher? Isto não é o mais importante. Importa que ele percebeu a mulher. Percebeu que, mesmo tendo tido cinco maridos, ela nunca havia sido amada. Reconhecer o outro, perceber o outro é estar aberto, é escutar. Não só com o ouvido, mas com o coração. Isto é fundamental para que haja um ENCONTRO.

6. Agora eu percebo que você me conhece:
A mulher percebe que Jesus é um grande profeta (Jo 4, 19-21), não por um milagre, mas porque Jesus a olha por dentro. Também nós, quando percebemos que alguém nos escuta verdadeiramente nos abrimos e confiamos. Nosso encontro vai caminhando…

7. Agora nós mudamos:
O último passo desse Encontro se dá quando a mulher, uma samaritana, marginalizada, vai até seu povo e fala, e muitos acreditam nela e em Jesus (Jo 4, 39). O verdadeiro Encontro provoca mudanças. Ninguém sai ileso de um ENCONTRO, se ele é real. O Encontro nos enriquece, questiona, pede mudanças, senão não é Encontro.

O nosso querido Pe. Pedro gravou um vídeo explicando o período de Quaresma e a sua importância para a vida cristã. Clique aqui e confira!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Traduzir
Abrir WhatsApp.
Precisa de ajuda? Clique aqui.
Olá!
Você tem dúvidas?
Clique em "Abrir WhatsApp" para te ajudamos
%d blogueiros gostam disto: